Arquivo mensal maio 2019

Casco de lancha facilitará travessia de alunos e comunitários: O pleito foi atendido através do vereador Júnior Tapajós

Na manhã desta sexta-feira, (03), o vereador Júnior Tapajós acompanhou uma comitiva composta pelo prefeito Nélio Aguiar, vice José Maria Tapajós, secretaria do Meio Ambiente Vânia Portela, presidente da TAPAJOARA Dinael Cardoso, vereadores Ronan Liberal Júnior e Dayan Serique, em visita a comunidade de Parauá, Aldeia São Francisco e Mangal, rio Tapajós, para realizar a entrega de um casco de lancha que facilitará o traslado dos alunos e comunitários, entre as comunidades e aldeias da região. O recurso será utilizado até a construção da ponte que foi destruída pela ação do tempo. A doação do casco foi um pleito solicitado pelos comunitários ao vereador Júnior Tapajós, que teve o pedido atendido pela secretaria Vânia Portela.

Vereador Júnior Tapajós entrega casco de lancha ao lado do Prefeito, Vice-prefeito e vereadores.

Durante a visita, o prefeito Nélio Aguiar afirmou que, a construção da ponte depende apenas de licitação da empresa que irá executar a obra, uma segunda chamada está em andamento e em breve as obras devem iniciar.  A comitiva visitou também as obras do ginásio poliesportivo que servirá a região, de acordo com o planejamento a obra deverá ser entregue já no mês de junho.

 

 

 

 

 

Transporte com tração animal pode ser substituído

A substituição das carroças com tração animal, por outro tipo de transporte já é uma realidade em outros Estados do Brasil. Em Santarém, os problemas decorrentes da utilização das carroças para trabalhos de fretes e outros, ainda são muito comuns, o principal deles, são os maus-tratos que os animais sofrem com o excesso de peso. Por esse motivo o vereador Júnior Tapajós realizou nesta quinta-feira uma reunião de trabalho, que contou com a participação da Associação dos Condutores de Carroças de Santarém, SEBRAE e a ONG União Animal, para debater a melhor forma de resolver as duas situações, a de maus-tratos e a migração dos carroceiros para outro tipo de transporte ou atividade.

Vereador Júnior Tapajós reuniu com Associação dos Condutores de Carroças de Santarém, SEBRAE e ONG para discutir a melhor forma de resolver o problema do uso de carroça de tração animal

De acordo com o parlamentar, a proposta de transição não vem para deixar a classe desempregada, e sim visa trabalhar com antecedência para readequar uma situação que já está na eminência de acontecer.

“Nosso objetivo ao propor esse debate é de resolver as duas situações de uma vez só. Acabar com a situação de maus-tratos a esses animais e redirecionar a atividade dos carroceiros da melhor forma possível”, afirmou o vereador.

A participação do SEBRAE, trouxe a reunião vários direcionamentos em relação as possíveis substituições, uma delas seria o cavalo de lata e até mesmo a disponibilidade de treinamentos para a abertura de novas atividades, que poderiam ser trabalhadas em forma de cooperativas.

Vereador e representantes da associação de carroceiros, SEBRAE e ONG’s que defendem os animais

“O SEBRAE está para somar com a classe, de forma a buscar alternativas viáveis e possíveis para que essas pessoas possam a cima de tudo, continuar contando com uma fonte de renda. Declarou Michel Martins, gerente regional do SEBRAE Santarém.

De acordo com o presidente da Associação dos Condutores de Carroças de Santarém, Edenilson de Jesus, os 240 associados cadastrados, cumprem as regras estabelecidas, como manter a saúde do animal, cuidados com vacinação e alimentação, porém aqueles que trabalham fora do controle a associação, que na maioria das vezes praticam tais irregularidades, acabam por prejudicar toda a classe.

“Fomos convocados para reunião e aqui estamos para ouvir as propostas e avaliar como essa transição pode ser feita de forma tranquila, garantindo a renda desses países de família”, disse o presidente.

Como encaminhamento, um Projeto de Lei deve ser apresentado pelo vereador Júnior Tapajós, propondo uma transição de atividade tranquila e principalmente com alternativas que possam suprir as necessidades dessas famílias que trabalham com a tração animal.